Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#2 #2 #2

Na transição a partir da água, nasce o sol e antenas de televisão. O telhado. O céu, para o qual nos podemos elevar apenas em movimentos repentinos, estará se possível ainda mais acima.

Uma varanda, ela própria em movimento, apesar de se encontrar em suspensão. A vertigem, como oportunidade sedutora de fácil suicídio. Olhar de cima para baixo aos 5,15 minutos, para acentuar essa vertigem, própria de lugar alto. 

A janela, que na Água era saída, é agora desejo de entrada. O que é colocado dentro do écran sugere-nos aquilo que poderá estar temporariamente fora dele, a relatividade das situações humanóides.

O som, sem pré-determinação sincrónica, diz-nos através dos chilreios de pássaros interrogativos que afinal o acaso não existe e o sincronismo está sempre presente. Sobrepõem-se sistemas de re-filmagem: filmagens de filmagens. O objecto é claramente o medium.

A tempestade iónica é sempre recorrente.

Muito bâton e forte make-up são sinais de produção.

Fato brilhante de superfície plástico-metálica: presença de novas tecnologias sobre o corpo. Os materiais de revestimento impenetráveis à humidade, a pele dos telhados, revelam uma constante quadrícula.

Filipe Rocha da Silva