Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

#2 #2

W. C. iluminado com luzes de néon. Foi inundado. Imagens sub-aquáticas obtidas ao nível do chão a partir do fundo da piscina, através de um vidro que constituiria uma das paredes do W. C., assim preparado para este acto voyeurístico.

O corpo é simplificado e estilizado pelo grafismo do vestido assimétrico, semi-top (apenas um seio).

Chegará ela ao céu/tecto, para onde os longuíssimos braços se parecem erguer?

A certa altura parece haver uma sucessão ad infinitum de aparelhos de televisão ou a aquofobia. Ou apenas a delimitação, o desenho e a consciência dos limites, como única saída possível. O movimento perde-se, destituído do complemento de lugar aonde. Só uma quadrícula azulada estruturante nos lembra que algures existe um mapa. Na água é impossível de tocar, porque ela é como o ar. Parece uma experiência espacial, em que predomina no movimento a ausência de gravidade. Daí a câmara lenta, os movimentos descontínuos percorridos por etapas ou degraus.

Sonoplastia com vozes, mantras e cantos (contos) longínquos. Algaraviada de crianças.

Linha horizontal estruturante da imagem sempre a passar e a lembrar que é televisão. Sob ela cruza a verticalidade da figura .

Exagero cromático fauvista de cores saturadas e complementares laranja/azul, interrompido por tempestades iónicas azuladas periódicas. Sucessivas mortes e ressurreições.

Filipe Rocha da Silva